Brasília, 23 de Abril de 2014.
Assine nosso Feed/RSS
 Home

Nutrição na Mídia

Cantina de escola proibida

07/04/2010

Fonte: A Gazeta

Dentro de três meses os estudantes de 450 escolas da rede estadual de ensino não vão mais poder comprar balas, chips, refrigerantes ou sucos artificiais no horário de recreio. A partir desta data, as cantinas das escolas poderão vender apenas produtos saudáveis, e a determinação é da Secretaria Estadual de Educação (Sedu), que determinou as novas regras.

Até então, as cantinas - muitas delas administradas pela própria direção da escola - podiam vender de tudo. A preferência dos estudantes é, geralmente, pelos ALIMENTOS gordurosos e nada nutritivos, como biscoitos recheados e salgados fritos.

"Entendemos que é preciso mudar esses hábitos e, por isso, decidimos regular as cantinas, para que elas não continuem estimulando o consumo desses ALIMENTOS. A ALIMENTAÇÃO é cultural", diz o secretário de Educação Haroldo Corrêa Rocha.

Natural pode

Entre os ALIMENTOS permitidos para comercialização estão os sanduíches naturais, frutas, biscoitos tipo cream cracker e sucos de fruta natural. A portaria também cria regras para a administração e instalação física das cantinas e para os funcionários, que devem, por exemplo, trabalhar uniformizados com roupa branca e avental, não utilizar anéis, colares e brincos e estar sempre com os cabelos presos e unhas cortadas.

As cantinas poderão ser administradas pelo Conselho de Escola - composto pela direção e por representantes de pais, alunos, professores e comunidade - ou, ainda, terem o serviço terceirizado. Neste caso, a escola poderá alugar o espaço da cantina, mas também ajudar a fiscalizar o cumprimento das regras.

Segundo o secretário, os NUTRICIONISTAS das empresas que administram a merenda escolar também serão responsáveis por fiscalizar os produtos que serão vendidos nas cantinas.

Suco de inhame? Eles provaram e aprovaram

Para provar que a mudança dos hábitos alimentares nas escolas é possível e pode ser bem-vinda, a Secretaria Estadual de Educação realizou, ontem, uma gincana com 27 adolescentes da Escola Estadual Benício Gonçalves, em Vale Encantado, Vila Velha.

De olhos vendados, eles provaram cinco receitas nada comuns no cardápio das cantinas: estrogonofe de chuchu, suco de couve e maracujá, suco de inhame com limão, bolo de abóbora com coco e beijinho de mandioca. O desafio era adivinhar a composição dos ALIMENTOS.

A surpresa para a maioria foi descobrir que esses ALIMENTOS, além de saudáveis, eram gostosos. Acompanhados pela NUTRICIONISTA Bianca Michele da Graça, eles também responderam a perguntas a respeito dos hábitos alimentares saudáveis ensinados em sala de aula.

"Achei tudo muito gostoso. Não tenho o costume de comer coisas saudáveis em casa, mas acho que substituiria os ALIMENTOS por esses tranquilamente"
Luan Alves , 15 anos

"Se eu soubesse que era bom assim, já tinha provado esses ALIMENTOS antes. O que mais me surpreendeu foi o suco de inhame com limão, que é delicioso"
Ifany Pereira Maforte , 15 anos

"Confesso que não teria coragem de provar esses ALIMENTOS se soubesse antes o que era. Mas o sabor me surpreendeu. Eu aprovo a mudança do cardápio"
Irana Lourencini , 16 anos

Mais saúde no lanche

O que é permitido
Sanduíches com recheio de queijo branco, ricota, frango, peito de peru, atum, requeijão, pasta de soja, legumes e verduras
Biscoitos tipo cream cracker, água e sal e maisena
Bolos de massa simples, cereais integrais em flocos ou em barras. Pipoca natural sem gordura
Frutas
Picolé de frutas
Leite integral
Suco de fruta natural
Vitamina de frutas com leite
Leite fermentado, achocolatado, iogurte de frutas
Água de coco

O que é proibido
Balas, pirulitos e chiclete
Chocolates, doces à base de goma, caramelos
Refrigerantes, sucos artificiais, refrescos a base de pó industrializado
Salgadinhos industrializados, como chips e biscoitos recheados
Doces e salgados fritos
Pipocas industrializadas
ALIMENTOS com embutidos (presuntos, mortadelas, salames, linguiças e salsichas)
ALIMENTOS que contenham corantes e antioxidantes artificiais
ALIMENTOS sem indicação de origem, composição nutricional e prazo de validade

37% dos alunos não comem verduras

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação (Sedu), as mudanças na oferta de ALIMENTOS nas cantinas da rede estadual de ensino baseiam-se na percepção de que os problemas decorrentes da má ALIMENTAÇÃO estão surgindo cada vez mais cedo na população brasileira.

Entre os dados apresentados para a justificativa do projeto da Cantina Saudável estão o de que 24% das crianças brasileiras estão acima do peso, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Já o Ministério da Saúde, aponta que, nos últimos cinco anos, o número de crianças menores de cinco ano com sobrepeso no país cresceu 50%.
Em Vitória, um levantamento do IBGE, divulgado em 2009, revelou que 26% dos alunos da rede estadual não consomem leite e que 37% nunca comem frutas e verduras. Apenas 20% disseram consumir saladas, e 5%, legumes e verduras. Já o feijão, importante fonte de ferro, é consumido por 58% deles todos os dias.

Nas particulares, venda é liberada

Diferente da rede estadual de ensino, que agora passará a contar com regras para a venda de ALIMENTOS nas cantinas, na rede particular os estabelecimentos que funcionam dentro das escolas possuem autonomia para a comercialização de produtos.

O superintendente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe), Geraldo Diório Filho, explica que, de modo geral, as cantinas que atendem às crianças da educação infantil não vendem produtos como refrigerantes e salgados fritos.

"Mas é difícil controlar o consumo quando se trata do ensino médio e superior. As escolas até tentam, mas os hábitos alimentares do adulto, nessas horas, falam mais alto".

Além disso, Diório não acredita na determinação de regras. "De fato, precisamos mudar os hábitos alimentares das crianças. Mas acredito que a mudança tem que começar na conscientização, e não na obrigação".

voltar

SRTVS - Quadra 701 Bloco II, Centro Empresarial Assis
Chateaubriand S. 406 - Brasília-DF - CEP 70.340-000
Fone (61) 3225 6027 Fax: (61) 33237666