Nutrição e sustentabilidade:

Alimente essa ideia, o planeta agradece!

Esse é o tema da nova campanha do Sistema Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas (CFN/CRN), que chama a atenção da categoria para a responsabilidade socioambiental como diferencial de atuação, tanto no atendimento individual como em ambientes de alimentação coletiva. Sustentabilidade não é apenas mais um modismo propagado pela mídia ou por algumas minorias que clamam por representatividade na esfera pública. É uma questão de ética e cidadania, de compromisso com a promoção da qualidade de vida da população e das próximas gerações. E como profissionais da área de Saúde, o nutricionista e o técnico em Nutrição e Dietética (TND) devem se posicionar a favor da preservação e defesa do ecossistema, apoiando iniciativas pelo direito humano à alimentação e pela segurança alimentar e nutricional.

A campanha nacional deste ano também visa conscientizar a sociedade sobre a importância de praticar hábitos saudáveis na hora de escolher o alimento que fará parte da sua dieta. Uma alimentação adequada depende dos meios sustentáveis de produção, distribuição e oferta. Qualquer planejamento alimentar terá qualidade nutricional garantida com frutas, verduras, legumes e hortaliças cultivadas em solo sem agrotóxicos, adubos químicos, radiações ionizantes, substâncias sintéticas ou organismos geneticamente modificados. A agroecologia privilegia o uso de componentes orgânicos, recursos naturais e energia renovável para assegurar melhor valor nutritivo ao que é consumido, originando produtos com mais cheiro, sabor, cor e textura.

Prato colorido – Sejam nas dietas recomendadas a cada um, nos cardápios escolares ou de estabelecimentos comerciais, o nutricionista deve incentivar a ideia de que a variedade de cores no seu prato é uma das formas de assegurar a presença de muitos nutrientes, principalmente vitaminas e minerais. Alimentos orgânicos possuem maior teor de fitoquímicos, como isoflavona, sulforaceno e licopeno, e ácidos graxos insaturados, além de taxas equilibradas de ômegas 3 e 6. Por causa de suas propriedades, eles se conservam por mais tempo, ao contrário do que pensa grande parte da população. Vale ressaltar ainda que a higienização não retira resíduos de agrotóxicos, já que a maioria dos elementos químicos, após a aplicação, é metabolizada até a semente.

O Sistema CFN/CRN defende um modelo que prioriza a reciclagem de restos orgânicos e a logística reversa da cadeia produtiva, com foco no controle higiênico-sanitário, na prevenção e na diminuição do desperdício. Também apoia o respeito à integridade das comunidades rurais e à ligação sociocultural dos indivíduos com a alimentação regional, que contribui para o resgate de práticas alimentares e sabores genuinamente brasileiros. O bom prato popular e brasileiro é sinônimo de saúde. Arroz, feijão, carne e salada colorida são alimentos acessíveis e ricos em nutrientes. Dê preferência aos alimentos da safra da época e, para garantir mais qualidade de vida, ajuste a sua dieta de acordo com as suas necessidades.

A logomarca da campanha mostra que nutrição e sustentabilidade andam juntas quando o assunto é alimentação saudável e adequada. Destaca o ciclo da agroecologia, a sua relação com o cotidiano das pessoas e o ecossistema, reforçando as etapas de cultivo, oferta, consumo e reaproveitamento. É o alimento integrado ao planeta, fruto da terra e da água, e que merece proteção!