O Dia Mundial do Diabetes foi criado em 1991, pela Federação Internacional do Diabetes (IDF), junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), em resposta ao aumento de diagnósticos da doença no mundo. Em 2007, a Organização das Nações Unidas (ONU) oficializou 14 de novembro como o Dia Mundial do Diabetes.
Diabetes é uma doença crônica na qual o corpo produz insulina de forma deficiente/insuficiente. A insulina é um hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue e o corpo precisa dela para utilizar a glicose obtida através dos alimentos. Com a falta de insulina o nível de glicose no sangue fica alto e ocorre a conhecida hiperglicemia. O quadro de complicações pode permanecer por muito tempo, podendo danificar nervos, órgãos e vasos sanguíneos.
Alerta – O nutricionista participa do tratamento e propõe estratégias de orientação nutricional e plano alimentar individualizado adequado para o controle das complicações clínicas e nutricionais. O objetivo é promover uma melhor aceitação e adesão à dieta e, assim, melhorar a qualidade de vida dessas pessoas.
A alimentação deve ser nutricionalmente balanceada e fracionada, nela deve conter todas as categorias de alimentos com características bioquímicas que auxiliem no metabolismo da glicose, sem restrições abusivas. No entanto, devem ser consumidos com moderação, dando preferência aos carboidratos (CHO) complexos, carnes magras, leite desnatado, verduras, legumes, frutas e cereais integrais.
A presença de nutrientes como carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e fibras são fundamentais para garantir a saúde do diabético, alerta a nutricionista Vilani Figueiredo, mestre em Ciências da Nutrição e Nefrologia da Universidade Federal de São Paulo/UNIFESP, no site www.eusemfronteiras.com.br
Tipos de Diabetes
. Diabetes Tipo 1: Caracterizada pelo ataque equivocado às células beta, logo nenhuma insulina é liberada para o corpo. Resultado, a glicose fica no sangue em vez de ser usada como energia. Entre 5 e 10% do total de pessoas possuem a tipo 1 e aparece geralmente na infância ou na adolescência.
. Diabetes Tipo 2: Aparece quando o organismo não consegue usar a insulina que produz para controlar a taxa de glicemia. Atinge cerca de 90% das pessoas, normalmente em adultos.
. Diabetes Latente Autoimune do Adulto (LADA): Foi identificada entre o Tipo 1 e 2. É um processo de autoimunidade que acaba perdendo células beta. Acontece também o diabetes gestacional, afeta entre 2 e 4% de todas as gestantes e traz riscos aumentado do desenvolvimento da diabetes na mãe e no bebê. (Fonte: Sociedade Brasileira do Diabetes – SBD)
Dados da SBD revelam que existem atualmente no Brasil mais de 13 milhões de pessoas com diabetes, o que representa cerca de 6,9% da população. Em alguns casos, o diagnóstico da constatação da doença demora, o que favorece o aparecimento de complicações.