Quando uma pessoa decide praticar atividade física para colocar a saúde em dia, normalmente atrela a isso uma alimentação mais saudável, diferentemente do que fazia antes. No entanto, esse ato pode causar a retirada de alguns alimentos essenciais, principalmente quando o corte é feito sem as instruções de um profissional de saúde.

“É bem comum quando uma pessoa começa uma dieta ingressar também em uma atividade física e vice e versa, sempre procurando por melhores resultados na saúde como um todo e na perda de peso corporal”, explica Caio Reis, professor do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (UnB). “Nesse caso, é importante ter uma moderação no corte de alguns alimentos. Ele precisa ter cuidado para retirar aqueles alimentos que não são saudáveis, como frituras, processados e ultraprocessados, mas preservar aqueles que são essenciais. Ótimo se cortar refrigerante, doces e ultraprocessados. O problema é quando essa atividade física está aliada a alguma dieta da moda que tenha um caráter restritivo maior”, acrescenta.

Os carboidratos, por exemplo, funcionam como um combustível para o organismo. “Algumas dessas pessoas que se arriscam em dietas restritivas cortam por completo o carboidrato, por completo. Não podemos fazer isso, já que ele é um macronutriente essencial e nossa principal fonte de energia. E quando o indivíduo começa a praticar exercícios, a demanda por energia é maior. Se ele corta alimentos de forma inapropriada, passa a ter um rendimento menor na atividade e fica exposto a hipoglicemia, desmaios e quedas. Ou seja, o ideal mesmo é readequar a alimentação retirando dela produtos processados e ultraprocessados e incorporar alimentos mais saudáveis como frutas, legumes e verduras. Vale lembrar também que existem diversos alimentos com carboidratos mais saudáveis, como os grãos integrais”.

O ideal é adequar melhor a alimentação. O Guia Alimentar para a População Brasileira – publicação do Ministério da Saúde – ajuda a orientar as famílias nesse sentido. Dentre as práticas ensinadas estão a redução na utilização de óleos, gorduras, sal e açúcar, o consumo de refeições com regularidade, várias vezes ao dia e em ambientes apropriados, e a preferência por alimentos in natura. Veja uma dica do Guia:

“Raízes e tubérculos são fontes de carboidratos e fibras e, no caso de algumas variedades, também de minerais e vitaminas, como o potássio e as vitaminas A e C. Este grupo inclui a mandioca, também conhecida como macaxeira ou aipim, batata ou batata-inglesa, batata-doce, batata-baroa ou mandioquinha, cará e inhame.”

“Na preparação de raízes e tubérculos, como na preparação de todos os alimentos, vale a mesma recomendação quanto ao uso moderado de óleo e de sal e o amplo uso de temperos naturais, incluindo alho, cebola, pimenta, salsa, salsinha e cebolinha. Raízes e tubérculos devem ser preferentemente cozidos ou assados, pois, quando fritos, absorvem grande quantidade de óleo ou gordura.”

Fonte: Saúde Brasil/Ministério da Saúde
Imagem: Shutterstock